anitta
A cantora fluminense Anitta (FOTO: Reprodução)

Nas ultimas eleições presidenciais, Anitta chegou a ser bastante criticada por em teoria, não se posicionar politicamente. A artista que levanta bandeiras como a da força da favela, do empoderamento feminino e da representação LGBT acabou sendo criticada tanto pelos detratores quanto por apoiadores de Jair Bolsonaro (PSL), por causa de sua posição mais neutra em determinadas ocasiões. Tudo indica que agora, a cantora finalmente teria “saído de cima do muro” em relação ao político.

Numa entrevista recente à imprensa internacional, Anitta lamentou o fato de Jair Bolsonaro se expressar de maneira preconceituosa. “Se temos um representante que expressa opiniões más sobre diferentes tipos de pessoas, de amor, de feminismo, isso faz com que as pessoas sintam que é normal ter preconceito”, destacou Anitta à agência EFE.

VEJA TAMBÉM: Katy Perry negocia residência em Las Vegas segundo jornal

No ano de 2018, Anitta optou por se manter isenta de algumas discussões políticas, como o caso Marielle Franco, o que acabou desagradando parte dos seus fãs. Após uma grande pressão nas redes sociais onde muitos internautas e inclusive fãs-clubes passaram a criticar e dar unfollow na cantora, Anitta resolveu aderir ao “Ele Não” e declarou que jamais apoiaria o capitão reformado.

“Essa sou eu. Eu sou contra a violência, contra a discriminação de qualquer espécie. Sou contra o ódio e a intolerância. Sou a favor da igualdade de gênero, contra a homofobia e o racismo. Defendo a liberdade do outro de decidir o que fazer com seu corpo. Através da minha arte tento contribuir com o que posso para vivermos num mundo melhor e mais igualitário. Anos de trabalho na minha carreira de cantora em que apoiei de diversas maneiras as idéias que acredito não vão ser apagados por não querer me envolver com política, pelo menos não para mim. Eu sou brasileira e quero que nosso país melhore assim como cada um de vocês. Eu nasci pobre e com muito esforço tenho conquistado meu caminho. Sofri por ser funkeira, favelada e ainda sofro por ser mulher. Eu não queria sofrer ainda mais com tanto ódio e ataques. Vivemos tempos difíceis e é esse o meu desejo. Qualquer coisa diferente do que citei acima não tem meu apoio, obviamente. Respeitem o próximo e suas decisões. Isso sim vai ajudar a sermos uma sociedade tolerante. Nós somos esse país” afirmou a cantora.