harry styles
O cantor britânico Harry Styles (FOTO: Reprodução)

Numa entrevista à revista Rolling Stone, o cantor britânico Harry Styles revelou detalhes sobre seu segundo álbum em estúdio e relembrou sua época no grupo One Direction. O artista é tema da reportagem de capa da nova edição da publicação, cuja matéria é intitulada “O eterno raio de sol de Harry Styles”.

Ao ser perguntado sobre seu segundo álbum de estúdio, o músico admitiu que está dando os últimos toques no projeto, e que o disco contará com músicas mais “difíceis” e com mais soul. Em suas palavras: “É sobre fazer sexo e se sentir triste”.

O astro, também mostrou um lado mais vulnerável e desabafou sobre suas ansiedades e receios. “Enquanto eu estava na banda, eu ficava constantemente com medo de que eu pudesse cantar uma nota errada. Eu sentia muito peso em termos de não fazer as coisas erradas. Me lembro de quando assinei um contrato de gravação e perguntei ao meu empresário: ‘O que acontece se eu for preso? Isso significa que o contrato se torna nulo e sem efeito?’ Agora, sinto que os fãs me deram um ambiente para que eu possa crescer e ser eu mesmo, em um espaço seguro para aprender e cometer erros”, explicou.

VEJA TAMBÉM: Após assédio sexual, Taylor Swift toma medida drástica nos encontros com fãs

A conversa foi feita durante um passeio de carro por Los Angeles, onde Harry vive parte de seu tempo por causa do novo projeto. Ao passarem pelo estúdio Shangri-La, em Malibu, establecimento onde gravou algumas das músicas para o novo disco, Harry disparou de maneira franca. “Nossa, usei muitos alucinógenos aqui”, declarou.

Os psicodélicos começaram a ter um papel mais importante no processo criativo do astro. “Usávamos cogumelos alucinógenos, deitávamos na grama e ouvíamos Paul McCartney de baixo do sol”, relembrou. Logo a seguir, Harry apontou para um canto do local e revelou: “É onde eu estava quando usei os cogumelos e mordi a ponta da minha língua fora. Depois, eu fiquei tentando cantar com um monte de sangue jorrando da minha boca. Tantas boas lembranças deste lugar… Cogumelos e sangue. Está aí um bom título para um álbum”.

Ao fim do bate-papo, o entrevistador relembrou a pausa da banda One Direction, anunciada ainda em 2015. Questionado sobre muitos ex-integrantes de boybands renunciarem ao passado, Harry Styles declarou que conhece essa atitude.

“Eu sei que isso sempre acontece. Quando alguém sai de uma banda, eles dizem: ‘Aquele não era eu. Eu estava me contendo’. Mas era eu. E eu não sinto como se eu estivesse me contendo de forma nenhuma. Era tão divertido. Se eu não gostasse, eu não teria feito aquilo. Não é como se eu estivesse amarrado a um radiador”, apontou o cantor.

Ao ser questionado sobre o almejado retorno da banda, Harry Styles ficou dividido. “Eu não sei. Eu não diria que nunca faria isso de novo, porque eu não me sinto dessa maneira. Se houver um momento em que todos nós realmente quisermos isso, então esse será o único momento para voltarmos, porque eu não acho que deveria ser sobre outra coisa além do fato de pensarmos: ‘Ei, isso foi muito divertido. Devemos fazer de novo’”, comentou.

O cantor de “Sign Of The Times” revelou estar bastante entusiasmado com a carreira solo e em experimentar coisas novas. “Eu gosto demais de fazer canções dessa forma para me ver mudando o rumo totalmente e voltar a fazer aquilo de novo. Porque também acho que, se voltássemos a fazer as coisas da mesma maneira, eu já não seria o mesmo, de qualquer forma”, concluiu.