anitta
A cantora carioca Anitta (FOTO: Reprodução)

Procurando ser sempre franca, Anitta falou sobre sua sexualidade para a revista italiana Freeda. A cantora contou quando se assumiu para a família e como gostaria que o tema fosse tratado com mais naturalidade.

“Sempre gostei de garotas. Eu contei para minha mãe quando tinha 13 anos. Só esperei pelo melhor momento para falar ao público para que não criassem notícias sensacionalistas e tratassem isso como uma grande coisa. Do tipo ‘essa é quem ela é’. Eu não quero isso para minha vida. Quero que minha bissexualidade seja natural e normal”, declarou.

A carioca também fez uma comparação para ilustrar como o assunto ainda é tabu. “Ninguém vai cantar na televisão e fala ‘oi, sou hétero’. Ninguém precisa fazer isso. É assim que quero que lidem com minha bissexualidade”, questionou.

VEJA TAMBÉM: “Alguém liga para a bunda daqueles garotinhos?”, dispara 50 Cent sobre as acusações de pedofilia de Michael Jackson

Se você vir um homem e uma mulher se beijando na rua, vai lidar com isso com naturalidade. Eu quero que vejam a mim com uma garota tão naturalmente quanto”, acrescentou.

Anitta também aproveitou a entrevista para falar de sua depressão. “Acho que a depressão chegou para mim quando comecei a prestar atenção demais ao que as pessoas tinham a dizer sobre mim. Quando você entende que as pessoas não conhecem sua história, não sabem pelo que você passou, não sabem como é… estão vendo de fora e não sabem o que você passou para chegar até aquele ponto. Quando entendi isso, comecei a ver os comentários, a pressão e as expectativas que têm de mim assim: ‘é, eles não sabem de nada’”, pontuou a cantora, “eles estão falando, mas não sabem a coisa real que se passa na minha vida. Não tem propriedade para falar. Minha mãe tem, meu irmão tem… Quando entendi isso, fiquei melhor na minha vida”.