Adam Lambert
O cantor norte-americano Adam Lambert (FOTO: Reprodução)

Já faz quatro anos desde que Adam Lambert lançou um álbum pela última vez – porém não foi a turnê com o Queen que freou sua carreira solo. “Eu estava exausto e desiludido”, diz o popstar.

Ele estava “criticando” sua música e se sentindo “desconectado na minha vida pessoal”, então ele se ajoelhou e fez as perguntas difíceis: “Estou fazendo isso por dinheiro? Estou fazendo isso por atenção? Estou fazendo isso porque amo música?”

Algumas coisas ficaram claras: fazer e tocar música ainda eram suas paixões, mas o lado comercial da indústria estava “me deixando triste”.

“Eu estava tornando minha felicidade dependente do meu sucesso comercial”, explica ele. “Foi doentio. Eu tive que repensar as coisas.”

VEJA TAMBÉM: Miley Cyrus posta foto com a mão no pênis do namorado

O resultado disso é seu novo EP, “Velvet: Side A” – uma versão liberada e descolada do rock dos anos 70, que fornece o elo que faltava entre o Queen e o electro-pop de seus álbuns solo.

Todos os críticos o chamaram de “melhor trabalho até agora”, e será seguido no próximo ano por “Velvet: Side B”, com as músicas lançadas anteriormente “Feel Something” e “New Eyes”.

Vestido com um poncho longo e transparente e enfeitado com joias (incluindo um gigantesco anel de prata em forma de esfinge), Lambert sentou-se com a BBC para uma ampla conversa sobre sexualidade, novas músicas, o futuro do Queen e por que ele é um defensor da reforma eleitoral.

Aqui estão os destaques.

Assumir é ‘um ato de desafio’

Lambert já tinha se assumido para sua família e amigos quando participou da oitava temporada do American Idol em 2009, mas quando surgiram fotos dele beijando seu ex-namorado durante a série, ele ganhou as manchetes nos Estados Unidos.

A Fox News publicou um segmento para o cantor, chamando as fotos de “embaraçosas”, enquanto a Entertainment Weekly colocou Lambert em sua capa com a dissimulada frase: “O participante mais emocionante do American Idol nos últimos anos (e não apenas porque ele pode ser gay).”

“Foi estressante e confuso”, diz a estrela. “Eu estava tipo, ‘O que eu devo fazer?’”

“Em retrospecto, percebo que há poder em se manifestar. O ato de declarar sua sexualidade publicamente, uma vez que você é uma figura pública, é um ato de desafio em alguns aspectos, e também é uma forma de ativismo”.

E ele está satisfeito que os artistas gays estão se tornando cada vez mais visíveis, artistas como Christine + The Queens, Olly Alexander e, especialmente, Sam Smith mostrando que a sexualidade não é mais a barreira para o sucesso que costumava ser.

“Sam é um exemplo muito interessante, porque eles conseguiram se tornar totalmente convencional”, diz ele. “Quero dizer, mães e pais estão comprando o álbum de Sam. Essa é uma grande jogada, um grande passo”.

O ativismo LGBT de Taylor Swift é “admirável”

Adam Lambert fez uma participação especial no colorido vídeo de Taylor Swift para “You Need To Calm Down”, vestido com roupas de motoqueiro e dando a Ellen DeGeneres uma tatuagem na parte de trás de um trailer.

Swift pretendia com o vídeo, repleto de celebridades gays e trans, que fosse uma mensagem de solidariedade para seus fãs LGBT – mas depois foi criticada de “tirar proveito” para vender discos.

“Eu posso ver os dois lados da controvérsia”, diz Lambert. “As pessoas pensam: ‘Ah, ela estava explorando a comunidade para seu próprio ganho’. Mas o que justifica isso é que ela chamou as pessoas para o movimento. Ela recebeu muitas assinaturas em uma petição pela Lei da Igualdade”, o que proibiria a discriminação com base na orientação e identidade sexual.

“Isso é ação real, então não é apenas para ganho pessoal. Ela está colocando seu dinheiro onde está sua voz, e eu achei isso realmente admirável”.

Ele não gravará novas músicas com o Queen

“A locomotiva do Queen está a toda velocidade”, ri a estrela. “Eu acho que o filme [Bohemian Rhapsody] levou as coisas além do limite. Quero dizer, estávamos bem antes, não me interpretem mal, mas agora está estratosférico. E estamos vendo pessoas muito mais jovens na plateia. Havia sempre alguns jovens, mas agora são de todas as idades. Novos fãs”.

A banda acaba de anunciar as datas da turnê para 2020 – marcando o nono ano de Lambert como vocalista. Mas diz que eles nunca foram tentados a fazer um novo álbum do Queen.

“Não faz sentido para mim”, diz ele. “Simplesmente não dá”.

“Não sei mais como descrever isso, mas nunca houve um motivo real para fazê-lo.”

Adam ficou indie

Não que Lambert se torne repentinamente The Smiths ou algo assim; mas seu EP foi inspirado por artistas como Billie Eilish e Lana Del Rey, que correm meio por fora do pop convencional.

“Eu ouvia o Top 40 e dizia: ‘Eu não gosto muito dessa música’, e estava gravitando em direção a coisas indie que não eram exatamente pop. Era mais aventureiro e sombrio, e eu queria fazer algo nesse sentido: um pouco mais indie e um pouco menos baseado em tendências”.

Mantendo-o verdadeiramente independente, Adam Lambert deixou sua antiga casa na Warner Bros para lançar “Velvet” na pequena e independente gravadora Empire.

“Em uma grande gravadora, é sempre um compromisso”, diz ele. “Existem certos motivos ocultos, e a maioria deles é relacionada a dinheiro. Eu queria estar em uma situação em que pudesse estar no banco do motorista e dizer: ‘É isso que quero expor’”.

“Feel Something” foi escrita em seu momento mais vulnerável

“I don’t need to feel love / I just wanna feel something” [“Eu não preciso sentir amor / só quero sentir alguma coisa”], canta Lambert em “Feel Something”, uma balada frágil e emocional que se tornou o primeiro single de “Velvet”. Foi uma descida e tanto para o cantor, mas ele diz que foi crucial.

“Eu não queria lançar primeiro um single pop muito louco”, diz ele. “Eu queria contar uma história sobre o que eu passei e “Feel Something” era uma maneira de resumir tudo: era aqui que eu estava quando fui ao fundo do poço e me sentia desapontado”.

Sua performance vocal na música é estranhamente crua – algo que ele não teria tentado no início de sua carreira.

“Dez anos atrás, eu atacava as coisas com muito mais energia, teatralidade, atitude”, diz ele. “Então, é uma tentativa de mudar e trazer tudo de volta.”

“New Eyes” é tudo sobre se apaixonar

Lambert conheceu seu novo namorado, Javi Costa Polo, no Instagram e ele ajudou Lambert a redescobrir “todas as coisas que eu ansiava em ‘Feel Something’”.

A música “New Eyes” é sobre ele, diz a estrela.

“O novo par de olhos que entrou na minha vida é muito esperançoso e muito positivo”, ele sorri.

“Existe uma inocência lá, pela qual estou realmente atraído. O frescor, a fome de novas experiências: eu amo isso.”

Ele fez Cher chorar

Lambert levou Cher às lágrimas em Dezembro passado, quando ele apresentou um cover impressionante e despojado de seu maior hit, “Believe”, no Kennedy Center Honors.

Foi uma noite “selvagem”, ele diz, mas quase não aconteceu.

“Eles esperavam que eu tocasse ‘Believe’ da mesma maneira que o disco – mas eu fiquei tipo ‘Não, o Kennedy Center é intelectual e sofisticado, por que não fazemos isso como uma balada?’ No começo, eles não tinham certeza, mas eu disse: ‘Vocês poderiam confiar em mim?’ e estou realmente feliz por ter feito pressão para isso – porque acho que foi o que fez desse momento único”.

Queen não estará em turnê com Abba

Quando Lambert se apresentou para Cher, ela estava no meio da divulgação de “Dancing Queen”, seu álbum de covers do Abba. Mas ao ser sugerida uma dobradinha Abba/Queen, o cantor é cético.

“Queen e Abba? Eles pertencem à mesma conta? Eles pertencem?” ele pergunta incrédulo.

Aqui está um contra-argumento: Queen e Abba, compartilhando a abertura de Glastonbury, seriam incríveis.

“Acho que você está certo”, ele admite. “Fazer uma turnê juntos não seria uma boa opção. Mas em um festival? Seria uma ótima noite.”

Ele é um defensor da reforma eleitoral

“Eu não sou um compositor de protesto de forma alguma”, diz a estrela, mas seu último single, “Superpower”, “explora o espírito de pessoas que se sentem frustradas” e oprimidas.

Adam Lambert escreveu a funky música pop há três anos, “mas ainda parece atual”, diz ele, porque “a situação política na América é terrível”.

No entanto, ele acredita que a presidência de Donald Trump é um “ponto de inflexão” que energizou um movimento juvenil “progressista”.

“As pessoas dizem: ‘Ele vai ser reeleito?’ e sinto que as chances são muito pequenas, porque ele mal conseguiu da primeira vez – e isso foi antes de percebermos o quão ruim ele seria.”

“Mas há problemas”, acrescenta. “É um sistema corrupto. O fato de dificultar o voto das pessoas de cor e de tantos outros grupos minoritários. Isso está errado.”

A solução, Adam Lambert sugere, é reformar o sistema eleitoral da América.

“Na época em que o sistema do [colégio eleitoral] foi criado, precisava ser assim, mas estamos em uma era diferente agora. Está antiquado. Não vejo por que eles simplesmente não podem votar em uma urna, onde todos no país votam e a pessoa com mais votos é eleita”.

TRADUÇÃO DO SITE ADAM LAMBERT BRASIL