belo
O cantor paulistano Belo (FOTO: Reprodução)


O pagodeiro e ex-Soweto, Belo deseja se consolidar na carreira romântica e revelou mirar alto: o músico se comparou a Roberto Carlos, no posto de ‘Rei’ da música no Brasil. Numa declaração ao colunista Chico Barney, jornalista do UOL, Belo admitiu: “Agora todo mundo me chama de Roberto Carlos do pagode”.

Belo fazia referência a um antigo texto do próprio Barney, de 2017 onde de maneira irônica, o jornalista colocava Belo no patamar de um sucessor ‘natural’ de Roberto Carlos. Para isto, o autor destacou seis características que colocavam o pagodeiro como herdeiro do trono do rei da música romântica. Apesar do texto ser repleto de brincadeiras e sarcasmo, ele acabou repercutindo positivamente no meio do pagode.

Belo segue trabalhado na turnê “Belo in Concert” onde apresenta-se de terno e gravata com versões românticas do seu repertório. De acordo com o texto bem-humorado de Barney “a iniciativa tem um objetivo bastante evidente: aproximar ainda mais a figura de Belo ao universo lúdico de Roberto Carlos”.

O colunista ainda defende que Roberto Carlos não fará o tradicional especial de final de ano em 2019 deixando aberto o posto para alguma outro canal fazer algo similar com algum outro cantor. “Será que não está na hora de Belo assumir um posto na programação natalina da TV brasileira?”, questiona de maneira irônica Barney.

DÍVIDA MILIONÁRIA

O Tribunal de Justiça de São Paulo bloqueou um alto cachê do cantor Belo, estimado em R$ 74,3 mil, para quitar totalmente uma dívida do músico com o ex-jogador Denilson. No ano de 2017, Belo chegou a mover uma ação contra o ex-jogador explicando que teria sido ofendido nas redes sociais. Entretanto, Belo acabou perdendo o processo, tendo de arcar com os custos processuais estimados em 10% do valor da ação.

Com multas e correções, os valores subiram para R$ 74,3 mil. No processo por danos morais contra o apresentador Denilson, o pagodeiro defende que o ex-jogador prejudicou sua imagem ao lhe cobrar nas redes sociais uma dívida financeira de uma outra ação que existe entre eles. No mês de agosto de 2017, a Justiça chegou a negar pedido de Belo por dano moral e decidiu que Denilson não agiu de forma errada ao cobrar o cantor publicamente, pois existe a comprovação do débito do outro processo.

MÚSICA EM NOVELA DA REDE GLOBO

A milionária disputa judicial entre Denilson e Belo parece estar longe de acabar. Segundo informações recentes do colunista Alessandro Lo Bianco, do “A Tarde é Sua”, os advogados de defesa do ex-jogador receberam uma denúncia de que o músico poderia estar realizando “ocultação de shows”.

Ainda de acordo com o jornalista, de acordo com a autorização judicial de penhora aos shows de Belo, somente uma bilheteria do cantor foi penhorada para o pagamento das dívidas (a do Show da Virada de 2018). Já em 2019 vem havendo uma dificuldade de haver pagamentos.

A denúncia realizada pela defesa de Denilson defende, de acordo com o colunista, que existe uma procuração em nome de Alfredo Santana, secretário pessoal do cantor, e que o funcionário do músico poderia estar recebendo os cachês numa conta pessoal dele e depois repassando os valores a Belo.

Segundo informações do colunista, o advogado de Denilson vem juntando documentos para que isso possa ser relatado à Justiça. E os problemas de Belo ainda podem ser maiores. Por causa da dívida milionária com o ex-jogador, o cantor também pode perder o direito autoral da música “Contramão”, que vem fazendo sucesso na novela “A Dona do Pedaço”, da TV Globo e nas rádios.

A dívida milionária do cantor Belo com o ex-jogador, Denilson, está num valor estimado em R$ 5 milhões.

O alto valor é referente a uma ação judicial que estava na Justiça há quase 20 anos. De acordo com o site “Notícias da TV”, porém, o músico declarou que não tem como pagar a dívida. “Não tenho condições”, declarou o sambista.

Denilson era o empresário do grupo Soweto, que chegou a ter Belo como vocalista, mas o músico deixou a banda para seguir em carreira solo. Na Justiça, o atual comentarista da Band declara que Belo não pagou os valores da indenização ao sair do grupo.