elton john
O astro britânico Elton John (FOTO: Reprodução)

Ao longo dos anos, Sir Elton John foi sincero sobre suas lutas principalmente contra o vício em drogas. E agora, o cantor está mergulhando mais fundo em seu relacionamento com elas através de seu novo livro de memórias, “Me”.

VEJA TAMBÉM: Produtor de Anitta manda indireta para Ludmilla,após briga por autoria de música

Numa entrevista com Harry Smith, da NBC, o vencedor do Grammy lembrou o momento em que foi apresentado à cocaína. “Vi alguém usando cocaína e disse: ‘Bem, o que ele está fazendo?’ e ele disse: ‘Bem, isso faz você se sentir livre’. “E eu pensei:’ Hmm, eu sempre estava do lado de fora olhando tanto quanto, tipo, escola e eu nunca fui uma membro da gangue, ou qualquer outra coisa. Então, pensei: ‘Vou tentar isso’.

A droga rapidamente se tornou sua muleta. “Gostei porque pude conversar”, continuou John. “Eu era muito tímido, então pensei: ‘Esta é a droga que me abriu. Posso conversar, posso ser notado”. Por mais de uma década, o ícone da música veio a abusar da droga, chamando o tempo de o período mais sombrio de sua vida. Não foi até seu querido amigo Ryan White falecer em abril de 1990 da AIDS que John percebeu que seu próprio vício estava fora de controle.

“Quando ele morreu, estando lá em Indianápolis”, John começou. “Voltando ao hotel e reclamando do papel de parede, da decoração da sala e pensando: ‘Você é o bastardo mais ingrato. Você reclama de tudo. Esse garoto nunca se queixou de contrair HIV e AIDS por uma transfusão de sangue. Ele nunca reclamou, apenas incentivou as pessoas … Você é um pedaço de merda. E foi isso que senti por mim mesmo” revela o astro britânico.

VEJA TAMBÉM: Anitta volta a beijar Vitão durante show e detalhe chama atenção de internautas

Elton John conta ainda que estava oficialmente sóbrio seis meses depois da morte do amigo. E, em homenagem a ele, John criou a Elton John AIDS Foundation em 1992, na esperança de apoiar a prevenção inovadora do HIV, programas educacionais e atendimento direto às pessoas que vivem com a doença.

“Eu poderia ter sido um deles”, explicou o cantor de 72 anos. “É claro que eu poderia ter me tornado HIV positivo. Tive muita sorte. Fui abençoado e sempre achei que, pelo fato de, quando fiquei sóbrio, retribuir algo”.

Se eu não tivesse passado pelo que fiz, não teria me tornado a pessoa que sou agora“, disse ele recentemente ao GQ Hype. “De certa forma, sou grato por esses anos de sexo e drogas, embora eu despreze olhar para trás. Eu me diverti no começo, mas no final foi horrível”.

Mas se eu não tivesse passado por eles, não estaria sentado aqui tendo a ótima vida que tenho agora“, continuou John. “Eu nunca teria conhecido David [Furnish]. Eu nunca teria tido filhos. Passei 16 anos sendo fodido e 29 anos melhorando.”

Para ser uma estrela, você precisa ser uma estrela por um longo tempo e precisa fazer isso como uma artista ao vivo“, ele admitiu. “Você não pode ser uma estrela apenas gravando discos. Isso não vai acontecer. Para ser uma estrela, você tem que durar 50 anos. Você tem que ser uma Barbra Streisand. Você tem que ser um Paul McCartney. Você tem para ser Sting. Você tem que ser Fleetwood Mac. Você tem que ser o The Who. “

VEJA TAMBÉM: Madonna estaria namorando bailarino 40 anos mais novo; conheça Ahlamalik Williams

Aos seus olhos, a maior estrela de hoje é Lady Gaga. “Ela poderia ter uma carreira como Barbra Streisand, se quisesse”, disse John. “Ela tem a ambição, o talento que sai de todos os poros do corpo, então cabe a ela se ela quer e eu acho que ela quer.”

“Me” chega às prateleiras na terça-feira, 15 de outubro. Ainda no livro de memórias, o astro britânico chegou a declarar também que acreditava que Michael Jackson estava com algum problema mental nos anos que antecederam sua morte.